Informe o código do produto ou pesquise pelo nome

Conversamos com profissionais para explicar como funciona cada tipo de iluminação

Um bom projeto de iluminação evidencia a decoração, além de valorizar detalhes, funções e sensações. Projeto de Érica Lopez, da Conte Arquitetura (Foto: Divulgação)

POR: Casa e Jardim

Um bom projeto de decoração inclui também um plano correto de iluminação para que cada espaço seja confortável e aconchegante sem “briga” entre as peças e as luminárias em geral. “A iluminação deve dar destaque à decoração e tornar o ambiente o mais agradável possível”, afirma a arquiteta Érica Lopez. "Conseguimos criar cenários diferentes no mesmo ambiente apenas com a iluminação", destaca a arquiteta Fernanda Campiolo.

Gabriela Yokota, especialista em design e tendência, lembra, porém, que durante a reforma, muitas pessoas cometem um erro comum: pensar na iluminação de última hora, apenas no momento da compra dos produtos. "Dessa forma, ideias incríveis são perdidas, pois, a disposição dos pontos de luz irá ditar onde, como e quais peças serão inclusas. Por isso é bom dar atenção ao projeto luminotécnico no início da obra", orienta.

Dessa forma, é possível ter flexibilização e adaptação da iluminação conforme o projeto, além de permitir que eventuais detalhes arquitetônicos, funções e sensações sejam evidenciadas para determinadas necessidades dos moradores. Conheça mais sobre os tipos de iluminação:

A iluminação indireta não possui um foco, e sim é refletida em algum ponto, como no teto por meio de sancas de gesso ou forro, e depois se espalha pelo ambiente. Projeto de arquiteta Fernanda Campiolo (Foto: Divulgação)

 

1. Iluminação indireta

Érica explica que a iluminação indireta não possui um foco de luz, e sim é refletida em algum ponto, normalmente no teto por meio de sancas de gesso ou forro, e depois se espalha pelo local. "É mais suave, evitando o ofuscamento dos olhos", diz a especialista Gabriela Yokota.

2. Iluminação direta

Segundo Érica, a iluminação direta costuma ser apontada para um único ponto do ambiente, quando se deseja destacar ou evidenciar um único lugar. "É uma solução muito utilizada para dar destaque a algum objeto ou parte de um cômodo", exemplifica Gabriela. "E também conseguimos iluminar de forma geral os ambientes", complementa Fernanda.

3. Iluminação difusa

A iluminação difusa é a mais comum, em que a lâmpada é instalada no teto, no meio do espaço, iluminando todo o ambiente de forma uniforme. "Gosto de usar a difusa para iluminar de forma geral, mas sem causar desconforto visual", diz Fernanda.

Iluminação de destaque valoriza um objeto ou ponto específico, como neste projeto da Fernanda Campiolo, cuja estante tem iluminação embutida para destacar os nichos (Foto: Divulgação)

 

4. Iluminação de destaque

A iluminação destaque, como o próprio nome já diz, valoriza um objeto específico. "Ela é muito utilizada acima de quadros, na entrada de casa e em pontos que se deseja ter mais evidência", diz Érica.

A arquiteta Cristiane Schiavoni, indica, por exemplo o uso de lâmpadas com foco mais fechado e luz mais brilhante, como também a opção de lâmpada dicroia. Para estantes, Gabriela sugere perfis ou fitas de LED. "Dão leveza e visibilidade para os nichos, ressaltando não apenas os objetos decorativos como também o próprio mobiliário projetado", analisa.

5. Iluminação de orientação

Esse tipo de iluminação, normalmente usado em escada e piscina, serve para trazer segurança. "Um exemplo dessa iluminação é a escada de cinema, em que é embutida na parede e serve especificamente para que as pessoas consigam ver os degraus de forma mais clara", explica Érica.

Além da iluminação principal do ambiente, o home office pode conter luzes de apoio, como neste ambiente projetado pela arquiteta Cristiane Schiavoni (Foto: Carlos Piratininga / Divulgação)

 

6. Iluminação de tarefa

Esse tipo de iluminação geralmente é aplicada em home office e cozinhas e serve para auxiliar a leitura e o trabalho naquele local. "É uma luz mais geral, que não forma focos, justamente para que você possa exercer algum tipo de trabalho de forma mais segura ou mais eficiente", explica Cristiane.

Para home office, além das luminárias centrais, que realizam a iluminação principal do ambiente (plafons, trilhos com spots, lustres ou pendentes maiores), os modelos de iluminação de apoio também são muito importantes para essas atividades de trabalho e estudo, pois podem complementar a iluminação em pontos específicos.

Entre os exemplos, Gabriela destaca pendentes menores e luminárias de mesa (atrás ou ao lado dos monitores, com uma distância mínima para evitar reflexos e ofuscamentos); luminárias de piso ou arandelas (localizadas ao lado de sofás, poltronas ou mesinhas laterais, especialmente para leitura); spots para iluminar a circulação; perfis ou fitas de LED embutidos nos mobiliários.

Para bancadas para refeições rápidas é possível investir em luzes indiretas, mais decorativas e aconchegantes, a exemplo desses pendentes da Yamamura. Projeto do escritório Dantas e Passos Arquitetura (Foto: Emerson Rodrigues / Divulgação)

 

Em cozinhas, Gabriela recomenda incluir luzes que mantenham as pessoas mais atentas, já que há o manuseio de objetos cortantes, além de alimentos e líquidos em altas temperaturas. Por isso, é indicado o uso da temperatura de cor branco frio (5000K a 6500K) ou cor neutra (4000K).

"Para as bancadas em que serão utilizados os objetos cortantes ou acima do fogão ou cooktop, vale pensar na iluminação direta, como perfis de LED embutidos nos armários ou plafons pontuais no teto", diz Gabriela Yokota. Já para a iluminação central da cozinha, segundo ela, é sempre bom incluir luzes diretas e difusas, que priorizem a luminosidade do espaço como um todo. Já na bancada de refeições rápidas não é necessário o uso das regras de iluminação para cozinha, portanto você pode investir em luzes indiretas e mais aconchegantes, ou até mesmo, luzes mais decorativas e que trazem um ar despojado ao local.

7. Iluminação de área externa

Segundo Érica, a iluminação para área externa precisa ser mais ampla ou, dependendo do caso, que ilumine apenas uma árvore ou um muro específico. "Caso opte por uma iluminação geral, pode-se utilizar arandelas ou refletores", indica. Em área descoberta, Cristiane lembra que é importante pensar no uso de uma lâmpada blindada.